Já falei por aqui que não acho o hábito de contar calorias algo eficiente e muito menos agradável. Mas confesso que fiquei um pouco #chatiada quando achei que estava arrasando ao fazer um wrap integral para o jantar e descobrir que a minha receitinha mirabolante tinha mais de 500 calorias. “Caramba, é um Big Mac!”, concluí. 

No entanto, embora eu não tenha sido agraciada com o abdômen da Carol Dieckman, ganhei de presente da vida a Cibele, minha melhor amiga desde os 14 anos de idade, que se formou em nutrição e me dá consultoria particular a qualquer hora do dia ou da noite. Alô, Ci, beijo!

Ela me disse que tudo bem comer 500 calorias no jantar, desde que componha uma média de 2 mil calorias diárias, um número bom para quem quer evitar os exageros. Ou seja: se você come 500 calorias no almoço, e mais 500 no jantar, ainda tem 1 mil para distribuir entre o café da manhã e pequenas refeições ao longo do dia.

Recentemente, fiz uma entrevista com a Bela Gil e ela disse que também é contra essa obesessão com as calorias. “Eu não conto caloria porque acho que nenhuma caloria é igual, 100 calorias de chocolate não são iguais as 100 calorias de brócolis”, afirmou. Para mim faz sentido: o que importa é investir nas calorias “do bem”, e não nas vazias, que não trazem nada em termos nutricionais.

E foi assim que eu voltei a amar o meu wrap. Segue a receita para um jantar prático, sendo que parte do recheio vai direto para a marmita. Jante hoje, marmite amanhã!

Wrap integral de carne e cream cheese 

Ingredientes
Para a carne
2 filés de contra-filé
2 tomates
1/2 cebola
Alho, sal e pimenta a gosto
Azeite (com moderação)

 Para o wrap
2 wraps integrais
2 colheres de sopa (rasas) de cream cheese light
2 folhas de alface

Modo de preparo
Carne: retire as cascas do tomate e pique em pedaços pequenos. Reserve. Corte a cebola em tiras finas e reserve também. Pique o filé em pedacinhos pequenos. Tempere-os com sal, pimenta, alho e um fio de azeite. Coloque na panela e deixe refogar (não precisa colocar mais azeite e nem óleo). Quando a carne já estiver cozida, acrescente o tomate e ajuste o sal. Tampe a panela e espere o tomate murchar. Reserve esta mistura. Faça a cebola à parte: em um fio de azeite, deixe as tiras dourarem em fogo baixo. 

Montagem: passe o cream cheese no wrap. Acrescente metade da carne por cima, complete com cebola, e, por último, com a folha de alface.

Rendimento: 2 porções

Valor calórico: 515 kcal (porção individual)

E a marmitinha do dia seguinte…

Ingredientes
4 colheres (sopa) arroz integral
1 concha (média) de feijão
Uma colher (grande) de carne, com uma porção da cebola que sobrou do wrap
Três colheres (sopa) de cenoura refogada no alho e salpicada com cebolinha

 Valor calórico da marmita: 533 kcal

Light ou integral?
Perguntei à nutricionista Thaiza Nunes, do Meeting Brasileiro de Nutrição & Estética, que colaborou com este post, qual versão de wrap é melhor: o integral ou o light. Ela indica o light, porque é menos calórico, além de ter menos gorduras, sódio, carboidrato e proteína. “Com relação às fibras, a versão light possui quantidade superior do que a versão integral, mostrando que consumir um produto integral não necessariamente implica que ele tenha quantidade elevada de fibras”, explica. É, minha gente, os rótulos enganam.

 Vale lembrar também que, independente da versão, o wrap é um produto industrializado, com aditivos químicos, por isso, o melhor é consumí-lo com moderação. Priorizar os alimentos frescos e a “comida de verdade” ainda é a melhor forma de se manter de bem com a saúde e com a balança.